Personal Comendo A Patroa Gostosa No Motel

Personal Comendo A Patroa Gostosa No Motel

Personal Comendo A Patroa Gostosa No Motel

Tentei ligar e ela me dispensou. Carlinhos sentia-se o fodão por ser maior e estar comendo sua prima ninfeta. A excitação me tomou de vez, ele chupava, mordia, lambia, me sacodia com os dentes nos bicos e eu gemia e urrava… gozei. Sempre rolou um clima entre eu e o personal, ele, Paulo, 35 anos, sempre me elogiou falando que eu pareço uma boneca, linda, etc… Até que certo dia, eu fui com uma blusinha um tanto decotada malhar e ele ficou louco, não parava de olhar. Dessa vez lubrifiquei seu cu e comecei a massageá-lo com meu polegar, fazendo círculos e pressionando levemente. Ele lambeu os dedos e falou: nossa que gozada gostosa hein. OS MOVIMENTOS VÃO DESCENDO EM DIREÇÃO ÀS MINHAS NÁDEGAS E ELE PUXA O BIQUINI PRA CIMA TRANSFORMANDO-O NUM FIO DENTAL.

Sendo assim ele autorizou eu e ela continuarmos o que fomos fazer no motel, porém ele disse; “ Sou um corno apaixonado “ eu e ela metemos por muito mais tempo ele o marido tinha momentos que não consegui ficar perto vendo sua mulher gozar e gemer por inúmeras vezes e ele ia ficar dentro da sauna. "Que delícia sentir aquele pau pulsando no meu rabo…Haaaiiii caralhoooo… Gozei mais uma vez!!!"Ai fui na cozinha tomar um copo de aguá e quando eu estava guardando o vidro na geladeira ela veio e me agarrou por traz e disse que só me soltaria se eu adivinhasse quem era, aquilo me deu um arrepio, um frio na barriga e minha calcinha ficou molhada.

Em casa ninguém desconfiou, provas de vestibular são demoradas e não falaram nada, a noite com a conciência pesada dei um trato caprichado na patroa,não queria deixar rastros…Os próximos tres dias foram muito especiais para mim, me achando muito gostoso pensava afinal o que tinha feito para merecer uma novinha assim, uma coisinha tão gostosa. público, a nossa grana ficou curta pra morarmos na capital,planejamos nos mudar pra cidadezinha em que os avós e tios dela moravam, e rapidamente financiamos um lar.